Ilhas Bruma – Açores

Açores Online "Antes morrer livres que em paz sujeitos"

Tag Archives: Luís Cabral

Monitores desfibrilhadores com transmissão de dados online em todos os Centros de Saúde

O Secretário Regional da Saúde anunciou que, a partir de hoje, todos os Centros de Saúde dos Açores dispõem de equipamentos de monitores desfibrilhadores com transmissão de dados online, o que vai permitir uma “resposta de qualidade aos utentes”.

A aquisição destes novos dispositivos, na sequência das melhorias que têm vindo a ser implementadas no Serviço Regional de Saúde, visa “garantir uma medicina de maior proximidade e de melhor qualidade”, frisou Luís Cabral, que falava na apresentação e entrega deste equipamento na Unidade de Saúde de Ilha do Corvo, a que assistiu o Presidente do Governo, Vasco Cordeiro.

“Este sistema possibilita o acompanhamento e aconselhamento à distância, em contexto de urgência, efetuado pelo médico regulador do Serviço Regional de Proteção Civil às Unidades de Saúde de Ilha, especialmente das ilhas sem hospital, o que permite que os médicos de Medicina Geral e Familiar se sintam mais apoiados na sua decisão clínica”, frisou Luís Cabral.

Neste projeto específico, segundo o Secretário Regional, “há uma transmissão, em tempo real, dos sinais vitais captados através de um equipamento próprio para o efeito, permitindo a análise à distância do traçado eletrocardiográfico, curva de saturação e capnometria, valores de pressão arterial e até da qualidade das manobras de suporte avançado de vida”.

Este sistema, que representa um investimento de cerca de 400 mil euros do Governo Regional, “garante proximidade em todas as ilhas e facilidade de comunicação”, assim como uma “diminuição das evacuações que não têm necessidade de serem realizadas e uma maior celeridade naquelas que têm realmente de ser efetuadas”, acrescentou.

A utilização destes equipamentos desfibrilhadores com transmissão de dados online, segundo Luís Cabral, é especialmente útil tendo em conta a realidade arquipelágica dos Açores.

Este é mais um investimento que melhora o acesso dos utentes ao Serviço Regional de Saúde, salientou Luís Cabral, na medida em que permite ao utente ouvir uma segunda opinião relativamente ao seu estado clínico, contribuindo, assim, para uma decisão mais acertada em relação ao doente.

Este projeto insere-se no objetivo do Governo dos Açores de dar uma resposta adequada às necessidades de saúde dos utentes, através da oferta de serviços modernos.
GaCS/AIC

Vacina contra o rotavírus será introduzida nos reembolsos

O Secretário Regional da Saúde anunciou hoje, na Horta, que o Governo dos Açores decidiu “introduzir na portaria dos reembolsos a vacina contra o rotavírus”, salientando que se trata de “um apoio importante para as famílias com filhos”.

Luís Cabral, que falava na Assembleia Legislativa durante um debate sobre a portaria que define os reembolsos do Serviço Regional de Saúde, congratulou o Grupo Parlamentar do Partido Socialista que, ao contrário do PSD, contribuiu de forma construtiva com algumas alterações ao diploma, onde se destaca a introdução da vacina contra o rotavírus.

O rotavírus é um vírus extremamente frequente e muito contagioso, responsável pela maioria das gastroenterites virais em crianças e bebés, sendo a causa mais frequente de diarreia aguda e vómitos em crianças pequenas.

Estes sintomas podem rapidamente levar à desidratação, o que pode originar complicações e internamentos hospitalares.

O Secretário Regional anunciou também que será igualmente alterado o “reembolso da vacina pneumocócica” para abranger também os adultos, de acordo com as indicações técnicas que vieram agora provar que a vacinação confere “proteção não só às crianças, mas também aos grupos de risco e idosos”.

“Será, por isso, alterada a portaria também no sentido de comparticipar a todos os adultos que pretendam fazer a vacina antipneumocócica de acordo com os escalões de IRS”, afirmou Luís Cabral, relembrando que “o reembolso é na totalidade para os rendimentos mais baixos”.

O Secretário Regional anunciou ainda a alteração do limite de algumas análises, de acordo com as propostas que tem recebido sobre esta matéria.

Doentes sem médico de família terão consultas de Medicina Geral e Familiar

O Secretário Regional da Saúde anunciou hoje, na Praia da Vitória, a criação de convenções para a disponibilização de consultas de Medicina Geral e Familiar aos “utentes do Serviço Regional de Saúde que não tenham médico de família”.

Luís Cabral, que falava na cerimónia que assinalou o Dia Mundial da Saúde, salientou que o clausulado tipo das convenções que visam a prestação de serviços de consulta de Medicina Geral e Familiar aos utentes do Serviço Regional de Saúde “foi hoje enviado para publicação pela Unidade de Saúde da Ilha Terceira”.

“Este é mais um grande passo para a melhoria do Serviço Regional de Saúde que marca o início de uma solução que visa disponibilizar consultas de Medicina Geral e Familiar a todos os Açorianos sem médico de família na Região”, frisou o Secretário Regional.

O reforço da cobertura assistencial dos médicos de família, um dos objetivos definidos pelo Governo dos Açores, tem agora início na USI Terceira e, segundo Luís Cabral, será “alargado à USI de São Miguel, que é a outra ilha onde ainda não há uma cobertura total da população”.

“Acreditamos estar a estabelecer medidas que visam garantir que, em toda a sua amplitude, o Serviço Regional de Saúde se está a tornar um serviço de saúde ainda mais próximo, mais eficiente e, sobretudo, mais estável, justificando e compensando cada vez mais o esforço financeiro que todos os Açorianos fazem”, acrescentou o Secretário Regional.

O acesso dos utentes aos cuidados de saúde previstos nesta convenção faz-se mediante a apresentação pelo utente, na entidade convencionada, de uma declaração da Unidade de Saúde, válida para o ano corrente, que ateste que não tem médico de família e que pode usufruir de duas consultas convencionadas anuais para o seguimento do seu estado de saúde.

As requisições de meios complementares de diagnóstico e terapêutica serão tratadas pela Unidade de Saúde, ou pelas entidades convencionadas com a Unidade de Saúde, da mesma forma que as requisições prescritas pelos médicos da Unidade de Saúde.

As comemorações do Dia Mundial da Saúde que hoje se realizaram na Praia da Vitória tiveram como tema central a segurança alimentar, mote definido pela Organização Mundial de Saúde, tendo em vista a proteção dos consumidores contra os riscos de intoxicação alimentar.
GaCS/SRS

Centro de Radioterapia vai dar mais condições aos Açorianos

O Secretário Regional da Saúde destacou hoje, em Ponta Delgada, a importância da criação de um Centro de Radioterapia nos Açores, considerando que permitirá “criar condições para que aqueles que necessitam de tratamentos de radioterapia possam obtê-los mais perto das suas famílias”.

Luís Cabral, que presidiu, em representação do Presidente do Governo, à cerimónia de lançamento da primeira pedra do Centro de Radioterapia dos Açores, anunciou ainda a ligação deste espaço à ilha Terceira, através da criação de um polo onde será instalado o serviço de Braquiterapia.

“O Centro de Radioterapia dos Açores terá assim um serviço descentralizado, com um funcionamento complementar, possibilidade que já estava salvaguardada no projeto submetido”, afirmou o Secretário Regional.

Na sua intervenção, Luís Cabral frisou o facto se estar a desenvolver na Região uma solução que há muito era desejada e necessária, enaltecendo a parceria com a empresa privada Joaquim Chaves Saúde neste Projeto de Interesse Regional, por se ter comprometido a “garantir aos Açorianos, na Região, um serviço de qualidade no âmbito da Radioterapia”.

“Após longos anos de avanços e recuos, hoje aqui estamos a dar mais um passo, e um passo decisivo, para servir melhor os Açorianos e para reforçar as condições que o Serviço Regional de Saúde tem de dar como resposta àqueles que o procuram”, sublinhou o Secretário Regional da Saúde.

O Centro de Radioterapia dos Açores, que será construído em terrenos adjacentes ao Hospital de Ponta Delgada, tem um prazo de construção até 31 de dezembro de 2015.
GaCS/SRS

Luís Cabral anuncia alargamento do rastreio do cancro do colo retal a toda a Região

O Secretário Regional da Saúde anunciou hoje, em Angra do Heroísmo, o alargamento do rastreio do cancro do colo retal a todas as ilhas dos Açores durante este ano de 2015.

Na data em que se assinala o Dia Mundial da Luta contra o Cancro, Luís Cabral, que falava na apresentação do Registo Oncológico Regional dos Açores, anunciou algumas medidas que a Secretaria Regional da Saúde, em parceria com o Centro de Oncologia dos Açores (COA), vai desenvolver no arquipélago.

Entre essas medidas, Luís Cabral anunciou que o rastreio do cancro do colo retal, desenvolvido em 2014 como projeto piloto na área de influência do Hospital da Horta e que teve um resultado muito positivo, será alargado a toda a Região em 2015.

“Este é mais um desafio superado, mais um desafio que o COA assumiu como realidade, como alguns outros, e que vai assumir e desenvolver no ano de 2015”, afirmou o Secretário Regional da Saúde.

No âmbito da prevenção primária, tal como prevê o Plano Regional de Saúde 2014/2016, vai ser lançado um programa regional de prevenção e combate ao tabagismo, cujo ante-projeto já foi elaborado pelo COA.

“Há uma patologia do cancro na qual nós podemos ter uma intervenção de prevenção muito direta que é o cancro do pulmão, que tem vindo a ser o cancro de mais incidência na Região”, frisou Luís Cabral.

O Secretário Regional registou com agrado estas iniciativas do Centro de Oncologia dos Açores, que considerou ser uma das “pedras basilares” do Serviço Regional de Saúde, por desenvolver atividades diárias na luta contra o cancro.

GaCS/ SRS

Orçamento da Saúde reforçado em 15 milhões de euros

O Secretário Regional da Saúde disse hoje, na Horta, que o orçamento do setor da Saúde para o próximo ano regista um aumento de 15 milhões de euros, “uma verba que se destina a melhorias dos serviços nas suas várias vertentes”.

Luís Cabral que foi ouvido nas comissões de Assuntos Sociais e de Política Geral da Assembleia Legislativa, salientou que “este reforço vai permitir manter o equilíbrio financeiro dos hospitais e centros de saúde” e, conjuntamente com as medidas de gestão que estão a ser implementadas, “possibilitar um aumento da capacidade de resposta dos serviços de saúde aos Açorianos”.

No que se refere ao Plano para 2015 na área da saúde, Luís Cabral referiu que se “mantém um esforço na construção, ampliação, remodelação e beneficiação de infraestruturas”, com uma verba de 27 milhões de euros que contempla, designadamente, a conclusão do novo Centro de Saúde de Ponta Delgada, a continuação da ampliação do Hospital da Horta e a remodelação da Urgência do Hospital de Ponta Delgada.

Nesta verba estão incluídas também obras de beneficiação no Centro de Oncologia dos Açores e em diversos centros de saúde, bem como a conclusão da Unidade de Tratamento e Reabilitação Juvenil, no Solar da Glória, em S. Miguel.

Estão também previstas verbas para aquisição de equipamentos para o Centro de Saúde da Madalena e para o novo Centro de Saúde de Ponta Delgada e para a aquisição de um novo equipamento de Ressonância Magnética para o Hospital de Ponta Delgada.

“Damos também o devido relevo ao Plano Regional de Saúde, inscrevendo uma verba de cerca de um milhão de euros para as diferentes ações dele dependentes”, afirmou o Secretário Regional, que também destacou a existência de cerca de meio milhões de euros “para políticas de fixação de novos médicos, subsídios e bolsas de formação”.

Outra prioridade do Plano para 2015 é a Rede de Cuidados Continuados Integrados, salientando Luís Cabral que se “duplicou a verba afeta a esta atividade, de forma a dispormos de camas contratualizadas em oito das nove ilhas do arquipélago”.

Relativamente à Proteção Civil, mantém-se o apoio às associações humanitárias de bombeiros voluntários para o transporte terrestre de urgência, com uma verba de 3,6 milhões de euros, o que representa cerca de 42% do total de investimento deste setor.

“Está previsto um significativo esforço destinado à implementação da nova rede de comunicações, que custará 2,3 milhões de euros e deverá estar concluída no final de 2015”, frisou Luís Cabral.

Com o novo plano operacional vai ser possível lançar, em 2015, as obras do Quartel de Bombeiros da Povoação e proceder à remodelação dos quartéis de Santa Cruz das Flores e de Vila do Porto e iniciar o projeto de beneficiação do quartel do Faial.
GaCS/RC

Sala de pequena cirurgia no HDES representa viragem na resolução das listas de espera

O Secretário Regional da Saúde afirmou hoje, em Ponta Delgada, que a entrada em funcionamento da sala de pequena cirurgia no Hospital do Divino Espírito Santo (HDES) representa uma viragem na gestão das listas de espera cirúrgicas, acompanhando um processo que é já visível nos hospitais da Horta e da Terceira.

Luís Cabral salientou que a sala que agora entra em funcionamento vai permitir que as cerca de 500 pequenas cirurgias que estão em lista de espera “fiquem totalmente resolvidas no espaço de três meses”, acrescentando que poderá também ser utilizada para a realização de cirurgias em regime de ambulatório, em diversas especialidades.

“A abertura desta sala representa o início de um ciclo de várias medidas que têm vindo a ser preparadas com o objetivo de combater as listas de espera cirúrgicas”, frisou o Secretário Regional da Saúde, durante uma visita a esta nova sala de pequenas cirurgias.

Na sequência dessas medidas, considerou que se verificará ao longo do próximo ano “uma redução significativa nas listas de espera em toda a Região”.

Luís Cabral apontou, entre outras medidas, a construção de mais duas salas de cirurgia de ambulatório e a aplicação, a partir de novembro, do programa de gestão integrada de listas de espera cirúrgicas.

“O programa incluirá as listas de espera dos três hospitais conjugadas e vai permitir perceber exatamente quantos doentes estão a aguardar uma cirurgia e com que prioridade e definir tempos máximos de espera para cada uma das patologias”, frisou.

Esses dados, segundo Luís Cabral, vão também servir de base para a emissão de vales-saúde para os doentes que estão há mais tempo em lista de espera.

No âmbito das medidas que estão a ser implementadas verifica-se que o Hospital da Horta já registou uma redução para cerca de metade da lista de espera cirúrgica na especialidade de Ortopedia.

Esta especialidade, que era a que tinha a maior lista, estará em condições de, até ao final do ano, dar resposta a todos os doentes em lista de espera.

No Hospital da Terceira também já diminuiu a lista de espera em várias especialidades, designadamente, Cirurgia Geral, Estomatologia e Otorrino, com reduções entre 21 e 52%, de agosto de 2013 para agosto de 2014.

GaCS/RC

Luís Cabral reafirma convicção na mais-valia das portarias de reembolsos e convenções para os utentes

O Secretário Regional da Saúde considerou hoje que não faz qualquer sentido a proposta feita pelo PSD para suspender a portaria dos reembolsos, afirmando que o Governo dos Açores não o fará, “até para não cair num vazio legal sobre esta matéria”.

Luís Cabral frisou que as portarias relativas aos reembolsos e às convenções “foram trabalhadas ao longo de vários meses com a participação e contributos de muitos parceiros e profissionais” e vieram substituir diplomas que já existiam há vários anos e que precisavam de ser revistos.

“Se o PSD quer, finalmente, dar um contributo para a reestruturação do Serviço Regional de Saúde, de forma ativa, melhorando alguns aspetos das portarias, estamos aqui, como sempre estivemos, com total abertura para o fazermos”, afirmou o Secretário Regional.

Luís Cabral lembrou, no entanto, que “o PSD sobre esta matéria sempre sugeriu entregarmos a gestão do Serviço Regional de Saúde ao Governo da República”, acrescentando que “se tivéssemos seguido o seu conselho, neste momento, provavelmente já nem teríamos reembolsos”.

“Estes tempos iniciais e de mudança são tempos de alguma conturbação, em que é preciso fazer ajustes ao funcionamento do sistema”, salientou, manifestando a convicção de que “após este período inicial, as pessoas irão perceber que serão beneficiadas com estas novas portarias”.
GaCS/RC

Doentes crónicos têm acesso a todos os exames necessários

O Secretário Regional da Saúde afirmou que as declarações sobre convenções e reembolsos veiculadas hoje por partidos da oposição “transmitem ideias falsas”, assegurando que “nem os doentes crónicos, nem os restantes utentes, são penalizados com a entrada em vigor das novas portarias”.

Luís Cabral frisou que os doentes com patologias especiais são acompanhados pelos hospitais e centros de saúde e, desse modo, “têm acesso a todos os exames e análises necessários, sem qualquer limitação”.

“Também é falso que o sistema fique mais caro para os utentes”, disse o Secretário Regional da Saúde, salientando que, pelo contrário, “os valores de reembolsos previstos em várias consultas, ecografias e exames imagiológicos apresentam um aumento significativo”.

Na resposta a declarações feitas pelos partidos da oposição, Luís Cabral lembrou que este regime de reembolsos “que o Governo pretende manter nos Açores, ao que contrário do que acontece no continente”, representa uma ajuda complementar aos utentes que, por opção, utilizam os serviços privados de saúde em vez do serviço público.

O Secretário Regional salientou ainda que as portarias que entram em vigor quarta-feira, 1 de outubro, pretendem “trazer mais transparência e mais rigor ao sistema”, tendo como objetivo “manter o mesmo nível de atendimento e, inclusive, melhorá-lo”.
GaCS/RC

Luís Cabral anuncia implementação da Unidade de Saúde Pública de S. Miguel

O Secretário Regional da Saúde anunciou hoje, na Ribeira Grande, “o nascimento da Unidade de Saúde Pública de São Miguel”, que tem por objetivo servir “não só na componente de implementação de medidas, mas de observatório de ilha sobre as várias ações do Plano Regional de Saúde”.

Na primeira reunião desta entidade, que decorreu no Centro de Saúde da Ribeira Grande, Luís Cabral salientou que a sua criação foi possível porque “o Executivo Açoriano conseguiu, felizmente, captar recursos humanos especialistas nesta área”.

A Unidade de Saúde Pública de S. Miguel, prevista no Plano de Ação para a Reestruturação do Serviço Regional Saúde e, por enquanto, pioneira no arquipélago, é constituída por quatro especialistas em saúde pública, que “vão dinamizar toda a componente da atividade de saúde pública na ilha”, frisou Luís Cabral.

Esta era uma das preocupações que o Governo Regional tinha devido à “escassez de médicos nesta área”, afirmou o Secretário Regional, acrescentando que, além de dois especialistas que agora incorporaram a Unidade de Saúde de Ilha, foram também convidados dois especialistas do continente, “dentro do sistema de incentivos que o Governo Regional implementou” e que aceitaram vir trabalhar para os Açores nesta área.

“Vamos ter especialistas a definir políticas de saúde pública, de uma forma técnica, bem fundamentada, com a formação necessária nesta área, para que os planos regionais de saúde possam ser cada vez mais planos de saúde pública efetivos para a população e que se comece também a sentir o impacto dessas medidas”, salientou o Secretário Regional da Saúde.

Por outro lado, Luís Cabral explicou que a atividade dos médicos desta especialidade abrange “uma população específica-alvo e as medidas que desenvolvem como médicos não são tão direcionadas a cada um dos utentes, mas sim medidas de impacto na comunidade”.

Essas iniciativas vão desde o controlo e higiene das infeções, nomeadamente nas infeções multirresistentes, um acompanhamento das diferentes bactérias e diferentes vírus que estejam em circulação, de forma a se poder estabelecer a sua monitorização, mas também medidas de contenção.

Como exemplo, realçou o caso do Ébola, salientando que “é através das Unidades de Saúde Pública que são desenhadas as medidas de contenção, para que a comunidade não venha a sofrer com essas infeções”.

Esta Unidade vai abranger igualmente a sensibilização nas áreas da obesidade e da diabetes, na prevenção dos maus-tratos e nos traumatismos infantis, atividades que serão monitorizadas para uma maior eficácia.

Quanto à extensão destas unidades às restantes ilhas do arquipélago, Luís Cabral afirmou que primeiro é necessário aprender com a experiência desta, que depois “será replicada nas diferentes ilhas, à medida que formos tendo também recursos humanos”.

GaCS/LM

Alteração do horário dos Serviços de Atendimento Urgente do Nordeste, Vila Franca e Ribeira Grande não afetará utentes

O Secretário Regional da Saúde garantiu hoje que estão reunidas as condições para que os Serviços de Atendimento Urgente dos centros de saúde de Nordeste, Vila Franca do Campo e Ribeira Grande passem a funcionar entre as oito da manhã e a meia-noite, como já acontece no Centro de Saúde da Praia da Vitória, “sem prejuízo para os cidadãos que residem nestes concelhos”.

Luís Cabral, em declarações à margem do I Fórum da Saúde do Nordeste, salientou que “já estão implementadas as medidas que se consideravam necessárias para garantir uma resposta à população servida por estas unidades”, conforme ficou definido no Plano de Ação para a Reestruturação do Serviço Regional de Saúde.

Entre essas medidas está a publicação do diploma que permite a contratualização dos médicos para assegurar o acompanhamento das pessoas internadas nesses centros de saúde.

O Secretário Regional da Saúde salientou que o despacho publicado na passada semana, autorizando a contratualização de camas nos centros de saúde para cuidados continuados integrados, “vem garantir o acompanhamento dos doentes internados nesses centros de saúde”.

Estão também já em funcionamento 24 horas por dia as duas viaturas SIV, em Ponta Delgada e na Ribeira Grande, para dar resposta às situações de emergência, enquanto a linha de atendimento urgente também está a trabalhar em velocidade de cruzeiro, permitindo uma orientação das pessoas de acordo com os protocolos definidos na Triagem de Manchester.

“Os médicos que até agora faziam urgência passam a dispor de mais tempo para a realização de consultas e para desenvolver as tarefas que lhes compete no âmbito da Medicina Geral e Familiar”, sublinhou.

Luís Cabral elogiou a comissão organizadora do I Fórum da Saúde do Nordeste pela iniciativa dedicada à problemática do envelhecimento e à procura de condições que possam proporcionar melhor qualidade de vida às pessoas idosas, no sentido de “dar vida aos anos”.

O encontro abordou temas como a epidemiologia do envelhecimento, a depressão nos idosos, a polimedicação no idoso, o papel do cuidador, a nutrição, o combate ao sedentarismo e a atividade social e a promoção da qualidade de vida.

O Secretário Regional da Saúde sublinhou “o importante papel das autarquias” na dinamização de atividades em cooperação com os centros de saúde, como aconteceu agora no Nordeste, frisando que “são positivas todas as iniciativas que recordam a necessidade de trabalharmos em prol da nossa saúde”.

GaCS/RC

Soluções para listas de espera devem também consagrar o reforço da atividade cirúrgica normal, defende Luís Cabral

O Secretário Regional da Saúde disse hoje que as medidas que visam soluções para reduzir as listas de espera cirúrgicas, devem ter como objetivo “um sistema que também dê resposta de forma contínua e dentro da atividade normal”.

Luís Cabral, que foi hoje ouvido pela Comissão de Assuntos Sociais, a propósito do projeto de decreto legislativo regional apresentado pelo CDS-PP, considerou que o diploma “é uma amálgama entre uma resolução de Conselho de Ministros e uma portaria nacional, que faz pouco sentido no caso da Região”.

Para o Secretário da Saúde, no caso dos Açores, é importante, em primeiro lugar, proceder a uma revisão das listas, estabelecendo prioridades clínicas e garantindo uma correta codificação das situações em espera, separando as pequenas cirurgias das listas de espera para cirurgia convencional.

Deve, também, reforçar-se a complementaridade entre os hospitais na Região, tendo Luís Cabral apresentado, como exemplo o caso dos médicos que não têm mais tempos de cirurgia, por falta de anestesiologistas no hospital de Ponta Delgada, mas que podem aproveitar essa disponibilidade para operar nos hospitais de Angra ou da Horta.

Está prevista a contratação de um anestesista para o hospital de Ponta Delgada, o que vai permitir a realização de um maior número de cirurgias, mas em algumas áreas ainda haverá disponibilidade para esta cooperação entre hospitais.

Luís Cabral disse também, na comissão dos Assuntos Sociais da ALRAA, que se pretende utilizar o vale-saúde, mas “de forma complementar”, de modo a evitar que as pessoas tenham de sair do lugar onde vivem. Está previsto o seu recurso nas especialidades de oftalmologia e cirurgia vascular, durante o ano de 2014.

GaCS/RC

Luís Cabral defende participação dos médicos de família na gestão das unidades de saúde

O Secretário Regional da Saúde revelou hoje, em Ponta Delgada, na abertura das XIV Jornadas dos Médicos de Família dos Açores, que o Executivo pretende introduzir um novo sistema de financiamento das Unidades de Saúde de Ilha que permita um maior envolvimento dos médicos de família.

“Contamos em 2015 introduzir um sistema de financiamento às Unidades de Saúde de Ilha que permita uma participação dos médicos de família na gestão do orçamento da sua lista de utentes e assim abrir o caminho para a diferenciação positiva dos profissionais envolvidos”, afirmou Luís Cabral.

Na sua intervenção, o Secretário Regional salientou que se tem defendido a implementação nos Açores das Unidades de Saúde Familiares, mas frisou que se trata de uma medida que se tem verificado ser de reduzida eficácia a nível nacional.

“A geografia dos Açores exige uma organização diferente porque, logo à partida, não permite o sistema concorrencial e o tipo de atendimento que muitas vezes não se limita apenas a ambulatório e que não se coaduna com os princípios de contratualização em vigor no continente”, frisou.

Nesse sentido, considerou que as 99 estruturas de saúde existentes no arquipélago, contando com os hospitais, centros de saúde, postos e extensões de saúde, representam uma malha de serviços de saúde de proximidade que não é fácil atingir nem manter com o sistema proposto.

O Secretário Regional admitiu que faltam médicos de Medicina Geral e Familiar em algumas unidades, mas frisou também “que muitos concelhos têm a sua situação regularizada”, assegurando que continua a ser uma prioridade do Executivo que todos os açorianos tenham médico de família.

Para Luís Cabral, os 46 médicos que se encontram presentemente a fazer internato médico em Medicina Geral e Familiar em unidades de saúde da Região “serão praticamente suficientes para responder às necessidades”.

Por outro lado, salientou que “os horários de 40 horas semanais permitiram, no conjunto dos vários centros de saúde da Unidade de Saúde de Ilha de S. Miguel, que o número de consultas de Medicina Geral e Familiar passasse de 150 mil em 2012, para 282 mil em 2013, o que corresponde a um crescimento de 82%”.

Luís Cabral afirmou ainda que a cobertura assistencial a pessoas sem médico de família tem vindo a aumentar, recordando que, “só em 2013, realizaram-se nos centros de saúde de Angra do Heroísmo, Ponta Delgada e Ribeira Grande, 22 mil consultas a utentes sem médico de família”.

“Com a reorganização dos serviços, com a perspetiva da vinda de novos médicos, com a entrada de serviço efetivo dos internos será conseguida uma cada vez melhor prestação dos serviços assistenciais dos cuidados de saúde primários na Região”, afirmou o Secretário Regional da Saúde.

Reembolsos no Serviço Regional de Saúde são um apoio que se mantém nos Açores fruto da consciência social do Governo, afirma Luís Cabral

O Secretário Regional da Saúde, na sequência de declarações proferidas pelo líder do PSD/Açores sobre o novo modelo de reembolsos, esclareceu hoje que “a nova portaria de reembolsos introduz um aumento no valor das comparticipações mais frequentes”, numa medida que visa “manter a ajuda do Governo às pessoas que recorrem aos serviços privados de saúde”.

“É estranho que o líder do PSD/Açores, certamente fruto de desconhecimento, esteja contra uma proposta que aumenta os valores dos reembolsos aos utentes”, frisou Luís Cabral.

O Secretário Regional salientou ainda que o número limite previsto para determinados atos permite responder às avaliações de rotina, tendo em consideração os exames necessários para os cidadãos garantirem a vigilância da sua saúde.

“Se um utente apresenta qualquer sintoma que indicie a necessidade de mais algum exame ou tratamento é porque a sua situação exige outros cuidados e, nesse caso, deve recorrer aos serviços de saúde, onde fará todos os exames clinicamente necessários, pois o Serviço Regional de Saúde existe exatamente para esse fim”, afirmou Luís Cabral.

“Ao contrário do que diz o líder do PSD/Açores, esta proposta beneficia os utentes que mais precisam, pois permite que quem não está doente opte por um regime de reembolso, enquanto o sistema público de saúde dá resposta, de forma gratuita, a quem realmente precisa. Há assim uma melhor resposta aos cidadãos e mantém-se um regime de reembolsos que já não existe em nenhuma outra parte do país”, acrescentou.

Luís Cabral recordou ainda que “a proposta apresentada tem em conta a capacidade de resposta das unidades de saúde da Região”, também elas alvo de investimentos públicos, o que garantiu novas capacidades, designadamente nas áreas da fisioterapia, da nutrição, da saúde oral e das análises clínicas.

Sempre que essa capacidade de resposta não se verifique, “o Governo continuará a desenvolver convenções com o sistema privado”, afirmou o Secretário Regional da Saúde.

GaCS/RC

Uniformização informática das unidades de saúde trará benefícios aos utentes, afirma Luís Cabral

O Secretário Regional da Saúde anunciou hoje a implementação de um sistema informático que permitirá “a uniformização de procedimentos” nos hospitais e nas unidades de saúde dos Açores, permitindo alargar os benefícios já evidenciados no Hospital de Ponta Delgada.

Luís Cabral falava em Ponta Delgada, na sessão de abertura da Conferência WordConnex 2014, um encontro destinada à apresentação de novas aplicações informáticas desenvolvidas pela empresa GlobeStar Systems já em funcionamento em empresas e hospitais de várias partes do mundo.

Nos Açores existem aplicações informáticas desenvolvidas pela GlobeStar Systems no Hospital de Santo Espírito, em Ponta Delgada, que, segundo Luís Cabral, se revelaram “extremamente úteis” no processo de acreditação e constituem hoje importantes ferramentas na gestão de várias áreas do hospital.

As primeiras aplicações destinaram-se à monotorização das instalações e equipamentos, designadamente bombas de água, pressão dos gases medicinais ou corte de fornecimento de eletricidade.

Nas fases seguintes foram implementadas aplicações informáticas dedicadas ao sistema de gestão de visitas, à gestão dos transportes internos e à confirmação automática de consultas, o que possibilita a utilização, por outras pessoas, de tempos não confirmados, permitindo que os tempos de consultas sejam todos utilizados.

Luís Cabral frisou, por isso, que resultaram destas aplicações “inúmeras vantagens para o funcionamento do hospital, com benefícios na segurança dos utentes e colaboradores e na qualidade da prestação de cuidados de saúde”.

O Secretário Regional da Saúde pretende que estas aplicações, com resultados já confirmados, sejam alargadas aos hospitais da Terceira e da Horta e às Unidades de Saúde dos Açores, considerando que, deste modo, se podem “melhorar os tempos de espera e o atendimento dos utentes”.

Segundo Luís Cabral, poderão também ser uniformizadas aplicações informáticas em áreas como “aquisições centralizadas ou na própria normalização dos atos clínicos”.

GaCS/RC

Secretário Regional da Saúde clarifica discordâncias com sindicatos médicos

O Secretário Regional da Saúde reuniu hoje, em Lisboa, com o Sindicato Independente dos Médicos e com o Sindicato dos Médicos da Zona Sul, num encontro que serviu “para clarificar” os pontos da Portaria que os médicos colocavam em causa, relativamente às deslocações às ilhas.

“Ficaram criadas as condições para que os médicos que se recusavam a fazer deslocações o possam voltar fazer”, afirmou Luís Cabral.

No acordo estabelecido ficou entendido que seria clarificado, por parte da Secretaria Regional, que “não há qualquer obrigatoriedade” nas deslocações de especialistas, que são sempre realizadas, tal como já estava definido na anterior Portaria, “com o consentimento do médico”.

Na reunião de hoje foram também abordadas questões relacionadas com o trabalho dos médicos de Medicina Geral e Familiar e com o trabalho extraordinário nos serviços de Urgência.

“Houve um acordo de princípio”, salientou Luís Cabral, acrescentando que “os sindicatos ficaram de fazer um levantamento dos pontos específicos relativamente a estas matérias para serem discutidos posteriormente”.

GaCS/RC

Governo dos Açores aprova Programa Especial de Apoio ao Pagamento de Propinas

O Governo dos Açores aprovou a criação do Programa Especial de Apoio ao Pagamento de Propinas, para dar uma resposta célere e extraordinária a situações de carência económica devido a alterações súbitas de rendimentos do estudante e da sua família que comprometam o prosseguimento dos estudos superiores.

“Poderão beneficiar deste programa estudantes residentes nos Açores, independentemente de terem os seus cursos ministrados na Região ou fora dela”, anunciou o Secretário Regional da Saúde, na leitura do Comunicado do Conselho do Governo, que reuniu quinta-feira, em Angra do Heroísmo.

Segundo Luís Cabral, o Executivo Açoriano aprovou também uma Resolução que reconhece o projeto “Instalação de Unidade de Produção de Astaxantina e Construção de Unidade de Remoção de Microalgas URM 85”, a desenvolver no Concelho de Lagoa, em S. Miguel, como Projeto de Interesse Regional (PIR).

Este projeto tem um caráter inovador para o tecido económico regional, integra-se em setores de atividade com potencial de crescimento e prevê a criação e a qualificação de 13 postos de trabalho diretos a tempo inteiro, quatro dos quais com formação superior, nomeadamente, nas áreas comercial, da engenharia, da biologia e do marketing.

O Governo aprovou ainda uma alteração ao Programa de Estabilização do Emprego, que prevê apoios à manutenção da atividade e dos postos de trabalho das empresas dos Açores e alarga a sua abrangência, para que mais empresas possam se candidatar a esta medida.

De acordo com a Resolução aprovada, a partir de agora podem-se candidatar a este programa, que está integrado na Agenda Açoriana para a Criação de Emprego e Competitividade Empresarial, empresas com 40 ou menos trabalhadores, em vez do limite máximo de 25 trabalhadores.

O Conselho do Governo aprovou, por outro lado, a celebração de três contratos de cooperação-valor investimento até ao valor total de cerca de 4,5 milhões de euros com as Instituições Particulares de Solidariedade Social Seara de Trigo, Centro Infantil de Angra do Heroísmo e Santa Casa da Misericórdia de São Sebastião.

Estes contratos destinam-se a financiar a construção de um lar residencial na freguesia da Relva, em São Miguel, com capacidade para 16 utentes, a remodelação e ampliação de uma creche e jardim-de-infância na freguesia da Sé, com capacidade para 65 crianças até aos três anos e 75 em idade pré-escolar, e a construção de um lar de idosos e centro de dia na freguesia de São Sebastião, com condições para acolher 34 utentes. Estes investimentos estão previstos na Carta Regional das Obras Públicas.

O Secretário Regional da Saúde anunciou, por outro lado, que foi aprovada uma proposta de Decreto Legislativo Regional que introduz alterações no Programa Família com Futuro que, em menos de quatro anos de vigência, já possibilitou o acesso a uma habitação condigna e adequada a mais de um milhar de famílias Açorianas.

“Com estas alterações agora aprovadas, garante-se a continuidade dos apoios em curso, que serão estendidos a mais agregados familiares, contribuindo, simultaneamente, para viabilizar o mercado imobiliário regional, por via do arrendamento”, frisou Luís Cabral.

Nesta reunião em Angra do Heroísmo, o Governo dos Açores aprovou ainda uma Resolução que autoriza a celebração de um contrato-programa anual com a Universidade dos Açores destinado à atribuição de um apoio financeiro de 350 mil euros à tripolaridade e ao funcionamento das atividades de ensino e investigação científica.

Outra das resoluções aprovadas autoriza a abertura do procedimento para a adjudicação da empreitada de Execução de Selagem e/ou Remoção do Aterro de Santa Maria, com o preço base estimado de 900 mil euros e com o prazo de execução previsto de 120 dias.

A selagem desta lixeira vai ser possível com a entrada em funcionamento do Centro de Processamento de Resíduos desta ilha e dá cumprimento ao Programa do Governo e ao Plano Estratégico de Gestão de Resíduos dos Açores (PEGRA).

Foi igualmente aprovada uma Proposta de Decreto Legislativo Regional que procede à primeira alteração ao Decreto Legislativo Regional que define e caracteriza o património baleeiro regional e estabelece medidas e apoios destinados à respetiva inventariação, recuperação, preservação e utilização.

Assegurada a salvaguarda deste património, importa rentabilizar a sua utilização no campo desportivo e turístico, melhorar as condições da sua proteção e conservação e incentivar a formação na arte de velejar em botes baleeiros, enquanto garante para a continuidade, divulgação e fruição desta atividade, adiantou Luís Cabral.

O Conselho do Governo, segundo anunciou Luís Cabral aprovou ainda uma Proposta de Decreto Regulamentar Regional que procede à primeira alteração ao Plano de Ordenamento da Paisagem Protegida da Cultura da Vinha da Ilha do Pico.

“A alteração do Plano contempla aspetos identificados no respetivo Relatório de Avaliação, bem como o resultado de mais de sete anos de experiência na sua gestão e implementação, adequando as opções previstas neste instrumento de gestão territorial às atuais condições económicas, sociais, culturais e ambientais”, afirmou Luís Cabral, realçando que este processo de alteração foi acompanhado de uma vasta discussão pública, envolvendo a população e as autarquias da ilha do Pico.

Hospital do Divino Espírito Santo vai aumentar capacidade de resposta aos utentes, revela Luís Cabral

O Secretário Regional da Saúde revelou hoje, em Ponta Delgada, que 44 médicos do Hospital do Divino Espírito Santo já solicitaram a passagem do horário das 35 para as 40 horas semanais, o que vai permitir aumentar a capacidade de resposta desta unidade de saúde.

Luís Cabral, que falava aos jornalistas no final de uma reunião com o Conselho de Administração do Hospital de Ponta Delgada, mostrou-se satisfeito com esses pedidos, considerando que representam “mais capacidade de resposta do hospital ao nível do serviço de urgência, mas também das consultas externas e do próprio funcionamento do internamento”.

Os processos, segundo Luís Cabral, têm sido autorizados pela Secretaria Regional da Saúde e agora têm que representar um aumento de produtividade, ou seja, o Conselho de Administração vai, conjuntamente com os médicos, reformular os horários, no sentido de garantir que esse aumento de produtividade seja efetivo.

Por outro lado, este aumento do horário laboral “corresponde também a um maior custo por parte dos hospitais”, frisou o Secretário Regional, acrescentando, no entanto, que “normaliza os vencimentos médicos segundo a nova tabela negociada com os sindicatos, deixando de haver algumas discrepâncias que se tinham criado, por via das contratações individuais de trabalho, até agora em vigor”.

O principal serviço beneficiado com esse horário será a Urgência, uma vez que o médico passa a fazer 18 horas, e , “em algumas situações pontuais”, também a Imagiologia.

Pretende-se que não sejam só horas dedicadas ao serviço de Urgência, mas que “sejam horas para aumentar a produtividade do serviço, podendo fazer mais exames no horário normal de trabalho”, afirmou Luís Cabral.

Nesta reunião foi também analisada a recusa dos médicos em se deslocarem a outras ilhas, tendo o Secretário Regional da Saúde revelado que já teve acesso à carta enviada pelos diretores de serviço.

Para Luís Cabral, “o motivo evocado pelos médicos para essa deslocação, que se trata de um diploma ilegal, não faz sentido”, acrescentando que não foi essa leitura que ficou na reunião com os sindicatos médicos.

O Secretário Regional salientou que estavam a acontecer “alguns desvios, que para nós não eram aceitáveis, nomeadamente a acumulação de vencimentos entre o horário normal de trabalho e aquilo que era o pagamento adicional nestas deslocações”.

“Os doentes não irão ficar sem consultas, obviamente que há várias alternativas”, assegurou, defendendo que “o ideal seria, em conversa com os médicos, explicar claramente que não é um diploma ilegal, que há a devida legalidade naquilo que foi feito”.

GaCS/LM

Luís Cabral afirma que auditoria à ARRISCA não resulta de qualquer suspeita

O Secretário Regional da Saúde esclareceu hoje que a auditoria que está programada para se realizar à associação ARRISCA é uma ação ordinária da Inspeção Regional da Saúde (IReS), não resultando, portanto, de qualquer suspeita sobre a sua atividade.

Luís Cabral, em declarações à margem da assinatura de um protocolo relativo ao projeto “PercurSOs”, em Angra do Heroísmo, frisou, por isso, que a notícia veiculada sobre esta matéria levanta suspeitas “que não correspondem à verdade”.

A auditoria à ARRISCA, que “só ocorrerá em Outubro”, segundo o Secretário Regional, “faz parte das seis ações previstas para 2014 a realizar pela IReS”, que estão inscritas e identificadas no respetivo Plano de Atividades, publicado no Portal do Governo Regional dos Açores.

“Qualquer entidade pública ou privada, ou projeto financiado pelo Serviço Regional de Saúde ou pela Secretaria Regional da Saúde, pode ser objeto de inspeção ou auditoria, sem que daí se possa retirar qualquer suspeita ou conclusão, sob pena de se efetuarem julgamentos ou insinuações sobre pessoas ou entidades sem qualquer sustentação em factos”, frisou Luís Cabral.

Nesse sentido, salientou que “é intenção da Secretaria Regional da Saúde proceder a inspeções e auditorias a várias entidades”, incluindo os hospitais e centros de saúde da Região, como tem sido divulgado, tendo algumas já sido realizadas, enquanto outras estão em curso e outras terão lugar no futuro.

As fiscalizações ou auditorias “nada têm de indicativo” a não ser que “a Secretaria Regional da Saúde verifica a aplicação dos dinheiros públicos e pugna pelo acesso dos utentes ao Serviço Regional de Saúde, com base em procedimentos legalmente estabelecidos”, concluiu o Secretário da Saúde.

GaCS/RC

Governo dos Açores assina protocolo de cooperação com a ARRISCA

O Secretário Regional da Saúde assinou hoje, em Ponta Delgada, um protocolo de cooperação com a Associação Regional de Reabilitação e Integração Sócio-Cultural dos Açores (ARRISCA), no valor de meio milhão de euros, para o combate às toxicodependências.

Luís Cabral afirmou que esta verba integra “o plano de investimentos previsto pela Secretaria Regional da Saúde nesta área das dependências, que ascende no total a cerca de um milhão de euros, tendo em consideração aquilo que é o trabalho desenvolvido por esta instituição e aquilo que têm sido as respostas dadas”.

Por outro lado, salientou que o acordo hoje assinado, que vai vigorar neste ano, “altera um pouco o paradigma daquilo que tinham sido os habituais financiamentos dentro desta área”, frisando que “a aposta agora vai para uma distribuição das verbas disponíveis por investimento por utente”.

“Em vez de se fazerem investimentos parcelares em cada uma das atividades que o utente vai desenvolver, é determinado um valor para, no fundo, financiar o tratamento conjunto desse utente”, afirmou o Secretário Regional.

O protocolo hoje assinado, segundo Luís Cabral, reflete ainda o papel da ARRISCA ao nível da componente do tratamento, considerando que a instituição tem feito “um acompanhamento muito eficaz e muito eficiente daquilo que é a nossa perspetiva de acompanhamento do tratamento”.

Este acordo visa, por isso, “garantir o tratamento com o substituto, neste caso a metadona, a quem infelizmente já iniciou os consumos e garantir também a prevenção secundária, ou seja, quem está a fazer esse tratamento de substituição possa ir gradualmente deixando de o fazer e não volte a consumir substâncias ilícitas”.

Luís Cabral considerou injustas as críticas sobre as estratégias do Executivo nesta área, defendendo que “há uma necessidade defendida por todos os intervenientes nesta matéria de se repensar as estratégias e perceber de uma forma muito concreta os resultados que elas apresentam”.

Para o Secretário Regional da Saúde, não vale a pena investir em estratégias que depois não apresentam resultados concretos nem estão direcionados para aquilo que são os objetivos a que se propõem.

No campo da prevenção, o Plano Regional da Saúde prevê uma verba de 100 mil euros para fortalecer a colaboração com as entidades nacionais e internacionais que já têm programas desenvolvidos, com resultados consistentes e que tragam mais-valias para os Açores.

Luís Cabral anunciou ainda que um novo programa vai ser apresentado esta semana pela Direção Regional da Saúde, no sentido de evitar que os jovens estejam expostos ao fumo do tabaco, numa melhor integração dos princípios da educação e saúde, juntando-os na promoção da saúde escolar.

GaCS/LM

Governo dos Açores implementa consulta multidisciplinar inovadora no tratamento de feridas

O Secretário Regional da Saúde revelou hoje, no concelho de Nordeste, que está a ser implementado na Unidade de Saúde de Ilha de S. Miguel, um projeto de consulta multidisciplinar inovador relativo ao tratamento de feridas.

Luís Cabral, que falava no final da apresentação de um projeto de estudo referente ao tratamento de úlceras de pressão que foi realizado no Centro de Saúde de Nordeste, realçou que “este é um sistema de abordagem à pessoa com úlcera de pressão diferente do que era habitual”.

Este plano foi “iniciado no Centro de Saúde de Ponta Delgada, através da equipa multidisciplinar de Ponta Delgada, que obteve muitos bons resultados”.

Atualmente, e de forma progressiva, este projeto, segundo Luís Cabral, está a ser implementado em outros centros de saúde de S. Miguel, para que os doentes “possam beneficiar deste tratamento e desta abordagem multidisciplinar, com resultados muito concretos, que foram hoje dados a conhecer”.

Estas conclusões, para o Secretário Regional da Saúde, são motivo de regozijo “não só naquilo que é o serviço aos utentes, mas também na taxa de cicatrização, que passa de 33 para 70% nestes casos e, aparentemente, com uma redução de custos de tratamento anual, ou seja, conseguimos conciliar três fatores positivos neste projeto”.

“É de salientar que esta é uma abordagem científica, naquilo que é o tratamento destas patologias, ou seja, os enfermeiros fizeram um estudo aprofundado daquilo que cientificamente estava publicado sobre o assunto, daquilo que tem evidência na melhora do tratamento destas feridas e depois fizeram uma boa aplicação prática sistematizada destas consultas”, afirmou.

Por outro lado, segundo disse, “esta consulta tem um aspeto importante, não se limita ao tratamento de uma ferida, destina-se sim a uma abordagem sistematizada à pessoa com úlcera de pressão”.

“Como hoje pudemos constatar, permite igualmente identificar potenciais doentes para serem operados pelo Serviço de Cirurgia Vascular em Ponta Delgada, atempadamente, sem que seja necessário chegar a situações como, por exemplo, a amputação”, acrescentou.

Luís Cabral salientou que o que se pretende do Serviço Regional de Saúde é que as pessoas façam o seu trabalho de forma dedicada, humana, mas também científica, considerando que estes enfermeiros “conseguiram hoje demonstrar que, com uma humanidade sem paralelo e com uma proximidade ao utente, é possível aplicar aquilo que cientificamente está mais correto, permitindo demonstrar também, do ponto de vista científico, que há poupanças neste processo”.

“Temos uma poupança na ordem dos quase 10 mil euros anuais, só na realização dos pensos, isto justifica a contratação de mais profissionais.

“A poupança de 10 mil euros anuais permite-nos já, quase por completo, cobrir a contratação de mais um enfermeiro para o Centro de Saúde de Nordeste”, afirmou.

Esta apresentação, segundo o Secretário Regional da Saúde, é um bom exemplo daquilo que é possível fazer com o empenho e dedicação das equipas.

“Nós pretendemos, no sentido de uma melhor prestação de cuidados de saúde, fazer uma aproximação aos doentes. É possível desenhar alguns projetos e a Secretaria Regional da Saúde terá todo o interesse em apoiá-los para que possam demonstrar a realidade de proximidade de cuidados domiciliários e o acompanhamento dos utentes”, frisou.

“Queremos, e isto é um dos pressupostos do Plano de Ação para a Reestruturação do Serviço Regional de Saúde, uma saúde mais próxima do utente, uma saúde mais perto daquilo que são os locais de residência dos utentes, até para se poder perceber o verdadeiro enquadramento do utente, e só com esse enquadramento é que é possível fazer uma medicina holística, uma medicina mais integrada”, afirmou Luís Cabral.

Governo dos Açores revê convenções na saúde para tornar os processos mais ágeis

A Secretaria Regional da Saúde pretende rever as atuais convenções para tornar os processos mais ágeis e alargar a novas áreas, de modo a dar resposta às necessidades atuais dos hospitais e das unidades de saúde dos Açores.

A intenção foi anunciada por Luis Cabral, frisando, no entanto, que “as atuais convenções continuam em vigor” até que as próximas sejam definidas, o que deverá acontecer dentro de seis meses, período em que “o utente não notará qualquer diferença”.

Está prevista a revisão das convenções existentes nas áreas das análises clinicas, do RX, da TAC e da Ressonância Magnética, bem como na área da Fisioterapia, aproveitando a oferta no sistema privado de modo a possibilitar “uma resposta complementar ao sistema público”.

“Com esta revisão, fica aberta a possibilidade de cada Unidade de Saúde de Ilha poder convencionar os exames complementares de diagnóstico consoante as suas necessidades”, afirmou Luís Cabral.

O mesmo acontecerá com os hospitais, permitindo assim que o Hospital do Divino Espirito Santo possa dar resposta na área da Imagiologia “com uma convenção direta”, resolvendo os problemas que têm surgido nesta área.

Esta revisão surge também pelo facto de algumas das convenções terem sido celebradas há algum tempo, sendo, por isso, necessário “revê-las e atualizá-las”.

A Secretaria Regional da Saúde pretende que este processo esteja concluído o mais brevemente possível, pelo que vai iniciar já um trabalho nesse sentido “quer com os atuais convencionados, quer com outros privados que pretendem trabalhar com o Serviço Regional de Saúde dentro destes moldes”.

GaCS/RC

Governo reforça equipamentos e pessoal nas corporações de bombeiros da Região

O Secretário Regional da Saúde procedeu hoje à entrega de duas ambulâncias às corporações da Ribeira Grande e de Ponda Delgada e anunciou a entrada ao serviço de nove bombeiros no âmbito do programa “Recuperar”.

Para Luís Cabral este reforço em equipamentos e pessoal representa “o esforço do Governo no sentido de manter o serviço prestado pelas corporações de bombeiros aos açorianos”.

O Secretário da Saúde lembrou que os fundos europeus que foram ontem aprovados em Bruxelas incluem um eixo destinado à proteção civil o que irá permitir “aumentar a capacidade de resposta das corporações de bombeiros”.

Está a ser desenvolvido um trabalho com as associações no sentido de definir os projetos a implementar, que abrangem a renovação dos equipamentos que estão a ficar desatualizados, a melhoria da emergência médica pré hospitalar e a rede de telecomunicações que irá arrancar já este ano.

Estão previstos também projetos que permitam dar melhor resposta em situações de catástrofe e reforçar a própria segurança dos bombeiros.

Luís Cabral anunciou também que, já a próxima segunda-feira, “vão entrar ao serviço nove bombeiros, no âmbito do programa “Recuperar”, implementado pela Vice-Presidência, que o Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores decidiu aproveitar, possibilitando “um reforço dos meios humanos que trabalham nas ambulâncias e nas corporações da Região”.

“É um incentivo que podemos dar às associações para que tenham mais e melhor capacidade de resposta”, frisou Luís Cabral.

GaCS/RC

Comissão regional decide medicamentos a utilizar nas unidades de saúde dos Açores

O Secretário Regional da Saúde participou hoje na primeira reunião da Comissão Regional de Farmácia e Terapêutica, que “vai decidir a nível regional quais os medicamentos a utilizar nos hospitais e nos centros de saúde”.

Luís Cabral considerou que esta comissão se justifica agora mais do que nunca, “face às notícias que têm surgido a nível nacional sobre a introdução ou não deste ou daquele medicamento”.

“A partir de agora, esta comissão vai avaliar toda a informação científica sobre determinado medicamento e decidir da inclusão ou não dessa terapêutica no Serviço Regional de Saúde”, frisou.

“Se, a nível nacional, for resolvido não incluir um determinado medicamento, esta comissão tem autoridade para o incluir a nível regional”, acrescentou o Secretário Regional da Saúde.

Luís Cabral sublinhou ainda que este órgão, que existe pela primeira vez na Região, “tem total autonomia relativamente à tutela e não se vai debruçar sobre a componente económica”, tendo a sua decisão por base “apenas critérios técnicos e científicos”.

A comissão é formada pelos diretores clínicos e de farmácia dos hospitais, por médicos dos centros de saúde, representantes da Ordem dos Médicos e da Ordem dos Farmacêuticos e por um membro da Saudaçor.

GaCS/RC

Tempo de espera nas consultas médicas com novas regras

O Secretário Regional da Saúde anunciou hoje, em Ponta Delgada, a publicação de um despacho que regula o “tempo de espera nas consultas médicas” nos hospitais e nas unidades de saúde dos Açores.

Luís Cabral, que falava no final de uma reunião com o Conselho de Administração do Hospital do Divino Espírito Santo, salientou que foi definido que o utente tem direito à sua hora de consulta marcada de uma forma concreta, evitando tempo de espera prolongado, bem como a confirmação telefónica na véspera da sua consulta, para permitir que as consultas sem comparência do utente possam passar para outro.

Com estas alterações, o Secretário Regional espera conseguir “otimizar o funcionamento da consulta externa quer dos hospitais, quer dos centros de saúde, para que mais utentes possam aceder às consultas e para que se possa reduzir aquilo que são algumas listas de espera que temos nestas áreas”.

Luís Cabral salientou que estas mudanças prendem-se com algumas falhas ao nível da organização, acrescentando que através dos sistemas informáticos que estão a ser implementados “temos a capacidade de gerir os tempos de uma forma diferente e temos a possibilidade também desses próprios sistemas informáticos poderem fazer a confirmação dessas consultas no dia anterior e se necessário substituir doentes faltosos por novos doentes que estiverem em lista de espera”.

Nesse sentido, considerou que esta reorganização “permite aos doentes serem informados do motivo do atraso”, frisando que, se o atraso “for superior a 30 minutos, o doente é avisado e é-lhe dada a possibilidade também de poder fazer a remarcação nos 10 dias subsequentes”.

Com estas medidas pretende-se que “os doentes passem o menor tempo possível à espera da sua consulta no hospital”, contribuindo para “uma melhoria dos cuidados ao nível dos hospitais”.

O Secretário Regional da Saúde salientou que vai ter de haver “uma adaptação na gestão das consultas externas, na gestão dos meios complementares de diagnóstico, na gestão daquilo que são as funções inerentes aos médicos que estão em consulta externa e, por isso, esta reorganização terá de ser pensada pelos conselhos de administração das Unidades de Saúde de Ilha”.

Após os encontros mantidos com as administrações dos hospitais de Santo Espírito, em Angra do Heroísmo, e do Divino Espírito Santo, em Ponta Delgada, o Secretário Regional da Saúde revelou que lhe foi transmitido “que era uma das medidas que irá ter um impacto positivo para o utente e para a própria capacidade de gestão dos hospitais”.

No que se refere à sua implementação, Luís Cabral explicou que “será aplicada por cada uma das unidades hospitalares consoante as suas capacidades de desenvolvimento dos sistemas de informação”, garantindo, por outro lado, que, no caso do Hospital de Ponta Delgada, irá entrar em funcionamento até final do ano.

GaCS/LM

Próximos fundos europeus vão dispôr de verbas para reforçar resposta a catástrofes

O Secretário Regional da Saúde anunciou hoje, em Angra do Heroísmo, que será dada “especial importância” no próximo Quadro Comunitário de Apoio “aos eixos especificamente destinados a aumentar a capacidade de resposta a situações de catástrofes”.

Luís Cabral, que discursava na cerimónia comemorativa do Dia da Padroeira da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Angra do Heroísmo, salientou que estão previstos programas destinados à aquisição de equipamentos e à realização de obras “de grande relevância para dar maior proteção às populações e facilitar o trabalho dos bombeiros”.

Para 2014, está prevista a aquisição de compressores táticos, grupos motobombas destinados à proteção das áreas urbanas, equipamento de busca e resgate em estruturas colapsadas, veículos todo-o-terreno para áreas de incêndios rurais e para apoio em áreas onde a orografia do terreno assim o exige.

Na sua intervenção, Luís Cabral frisou que, ao longo dos próximos anos, até 2020, através dos programas comunitários, será possível realizar obras para a estabilização das zonas costeiras, a regularização, reperfilamento e desobstrução de ribeiras, limpeza e requalificação das bacias de retenção, requalificação de frentes e núcleos urbanos degradados e remoção de estruturas localizadas em zonas de domínio público marítimo.

O Secretário Regional da Saúde traçou como objetivo para 2014 “o reforço da capacidade financeira das Associações de Bombeiros”, anunciando que se está já a trabalhar numa parceria entre Governo, municípios e a população, no sentido de se criarem “condições que permitam garantir uma gestão equilibrada das suas contas”.

Com o mesmo objetivo será realizada uma campanha de sensibilização, pedindo que os munícipes de cada concelho se lembrem dos seus bombeiros aquando da entrega da declaração do IRS, consignando parte do imposto à Associação Humanitária, um gesto que não tem custos para o cidadão.

Por outro lado, serão também desenvolvidas campanhas no sentido de sensibilizar cada munícipe a ser sócio da sua Associação de Bombeiros, tendo Luís Cabal apresentado, na qualidade de cidadão, uma ficha de inscrição na Associação de Bombeiros de Angra do Heroísmo.

GaCS/RC

Triagem de Manchester será alargada a todos os centros de saúde em 2014

O Secretário Regional da Saúde anunciou hoje que o sistema de Triagem de Manchester, que estabelece a prioridade no atendimento dos utentes em função da gravidade da sua situação clínica, vai ser alargado no próximo ano a todos os centros de saúde dos Açores.

Luís Cabral falava no Hospital da Horta, na ilha do Faial, onde assistiu ao início formal da utilização daquele sistema de triagem, que já funciona nos hospitais de Ponta Delgada, desde 2004, e de Angra do Heroísmo, desde 2008.

O Secretário Regional da Saúde salientou que, até agora, o retorno que tem recebido sobre a implementação da Triagem do Manchester no Hospital da Horta, onde está a ser testada há cerca de uma semana, “tem sido extremamente positivo” por parte dos profissionais de saúde, mas também no que se refere à avaliação inicial do Grupo Português de Triagem.

“Não se trata apenas de uma questão de atribuição de prioridades e de tempos de espera nas urgências, mas, como os próprios dinamizadores deste processo têm referido muitas vezes, trata-se de uma questão organizacional do próprio Sistema Regional de Saúde”, disse Luís Cabral.

Nesse sentido, considerou que a implementação deste sistema “vai permitir organizar melhor” os serviços de urgência básicos, para que o Serviço Regional de Saúde possa “dar uma melhor resposta e mais organizada, conhecendo melhor aquilo que é a realidade” açoriana.

Para Luís Cabral, este “é passo muito importante”, acrescentando que, a partir de quinta-feira, 5 de dezembro, arranca também oficialmente o processo de Triagem Telefónica de Manchester no Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores.

A implementação deste sistema, salientou o Secretário Regional, implica “uma alteração de mentalidade e de organização do Serviço de Urgência”, pelo que, no caso do Hospital da Horta, já estão a ser feitas obras de adaptação “para que o doente tenha um fluxo de cuidado contínuo, desde a inscrição, à triagem e ao próprio acompanhamento”, visando “uma estruturação do próprio Serviço de Urgência em função da gravidade do doente”.

“O Hospital da Horta, em conjunto com Secretaria [Regional da Saúde], tem vindo a elaborar um programa funcional para a reestruturação do Serviço de Urgência, de modo a ficar mais funcional, mais próximo do utente”, afirmou, adiantando que uma das soluções, que terá já uma resposta cabal em 2014, “tem a ver com a passagem da Unidade de Cuidados Intensivos para perto do Serviço de Urgência”.

O Secretário Regional revelou ainda que a formação com vista à implementação do sistema de Triagem de Manchester nos centros de saúde dos Açores começará no primeiro trimestre do próximo ano, de forma a que, no final de 2014, todas as Unidades de Saúde de Ilha, a começar pela do Pico, tenham o sistema a funcionar.

GaCS/FG

Plano de Investimentos para 2014 prevê verba de 3,5 milhões de euros para deslocação de doentes, anuncia Luís Cabral

O Secretário Regional da Saúde anunciou hoje que o Plano de Investimentos para 2014 prevê uma verba de 3,5 milhões de euros para a deslocação de doentes, frisando que este valor muito significativo deve ser dirigido “para as situações efetivamente necessárias”.

Luís Cabral, que falava no final de uma reunião com o Conselho de Administração do Hospital do Santo Espírito da Ilha Terceira, salientou que continua a verificar-se a existência de “doentes que são deslocados para os hospitais do continente quando já existe nos hospitais da Região capacidade para as mesmas consultas e os mesmos tratamentos”.

“São situações que entraram num sistema de rotina”, frisou, acrescentando que há doentes que permanecem em consultas regulares durante anos no continente – chegaram a encontrar-se situações de 20 anos – quando a respetiva especialidade já existia há muito na Região.

O esforço que está a ser feito no sentido de chamar a atenção das pessoas e dos responsáveis pelos hospitais de que é possível fazer a mesma consulta ou o mesmo tratamento, com a mesma qualidade e com vantagem de estarem perto das suas famílias, segundo Luís Cabral, “vem também incentivar e garantir a diferenciação das unidades hospitalares”.

Os três hospitais dos Açores “necessitam dessa atividade para se afirmarem como unidades certificadas e com qualidade”, afirmou o Secretário Regional, acrescentando que esta preocupação justifica-se também “face aos investimentos que têm sido feitos em infraestruturas, em equipamentos e no recrutamento de médicos e técnicos”.

Deste modo, a verba destinada à deslocação de doentes “poderá ter uma utilidade ainda mais ampliada ao ser encaminhada para quem efetivamente precisa de um apoio financeiro num momento de fragilidade, como é o caso da doença”.

GaCS/RC

 

Luís Cabral anuncia que aquisição centralizada de material clínico e medicamentos permitirá poupança superior a 500 mil euros

O Secretário Regional da Saúde anunciou hoje, em Angra do Heroísmo, que está em preparação um concurso público para a compra centralizada de material de consumo clínico e de medicamentos, que resultará numa poupança superior a 500 mil euros anuais nos três hospitais da Região.

Luís Cabral, que falava no final de uma reunião com o Conselho de Administração do Hospital do Santo Espírito da Ilha Terceira, frisou que se conseguiu, num processo desenvolvido em conjugação com a Saudaçor, “determinar um valor que corresponde ao preço mais baixo que já é praticado por um dos hospitais”.

O Secretário Regional defendeu que este procedimento não conduzirá a qualquer penalização do comércio local, uma vez que se “está a utilizar o preço que era já era praticado num dos três hospitais”.

“O que não faz sentido é que os hospitais estejam a adquirir medicamentos e material clínico por valores diferentes, por vezes a preços que são o dobro ou o triplo”, afirmou.

Para Luís Cabral, “este é também um exemplo das vantagens que advêm do diálogo que está a ser incentivado entre as administrações das unidades de saúde”, tal como está preconizado no Plano de Ação para a Reestruturação da Saúde.

O Secretário Regional salientou, no entanto, que “o Governo pretende continuar a trabalhar com os fornecedores locais, quer por questões de logística, quer por questões de proximidade”.

“É de toda a conveniência dispormos dos materiais e dos medicamentos próximos e não estarmos condicionados aos transportes que podem, por vezes, ser incertos”, acrescentou.

“Essa proximidade com os hospitais e com os profissionais de saúde é também importante, na medida em que, deste modo, é possível demonstrar novas funcionalidades de novos produtos ou que permitam fazer o mesmo de forma mais rentável e, por isso, é sempre fundamental que haja um tecido empresarial de armazenistas local”, defendeu Luís Cabral.

O Secretário Regional da Saúde salientou ainda que “o valor que se vai poupar reverte a favor do próprio processo de aquisições e, deste modo, também contribui para acelerar os pagamentos aos próprios fornecedores”.

GaCS/RC

 

Redução das listas de espera cirúrgicas passa pela contratação de mais médicos, defende Luís Cabral

O Secretário Regional da Saúde afirmou, na Horta, que os programas de redução de listas de espera cirúrgicas “não têm dado os resultados esperados” e, por isso, anunciou que o Governo dos Açores “vai optar por outra solução, que passa pela contratação de novos médicos”.

Luís Cabral, que falava aos jornalistas no final de uma audição na Comissão de Assuntos Sociais sobre o Plano e Orçamento para 2014, salientou que o facto de não estar prevista uma verba específica no Plano para a redução de listas de espera resulta de uma opção do Governo, porque os programas pontuais que têm sido implementados “não têm servido os interesses dos utentes e não têm conseguido que o problema seja resolvido”.

“Nós queremos garantir um funcionamento regular, de modo a que não haja necessidade de existirem listas de espera”, afirmou Luís Cabral, acrescentando que “isso só se conseguirá através da contratação de mais médicos para os hospitais da Região”.

Para o Secretário Regional da Saúde, “só com mais profissionais será possível aumentar a capacidade de resposta dos hospitais e conseguir, deste modo, a redução gradual das listas de espera e que os utentes sejam operados no seu tempo devido”.

“Será, pois, mais útil que essa verba seja utilizada para o financiamento de incentivos à fixação de profissionais de saúde”, defendeu Luis Cabral.

GaCS/RC

%d bloggers like this: